Animais Dicas Canis & Gatis Parques Zoos Clínicas Lojas Hotéis
Linces-ibericos começam a recuperar em liberdade
2010-11-03 » Espanha
Dez anos passados desde que foram implementadas em Espanha as primeiras medidas de protecção e reprodução do lince-ibérico, começa agora a mostrar-se viável a manutenção de populações estáveis em dois locais distintos e os responsáveis espanhóis começam já a ponderar mais alternativas para que, num futuro próximo, seja possível criar mais zonas onde estes animais possam viver na natureza, dando continuidade ao ambicioso projecto que abraçaram, há cerca de uma década.

Os resultados mais promissores são os que foram alcançados em Sierra Morena onde, segundo um censo de 2009, há cerca de 160 animais, enquanto no censo realizado em 2002 havia apenas 66 animais referenciados. Destes, cerca de 40 são fêmeas e 48 são crias, dando ânimo redobrado aos que trabalham na protecção da espécie e sensibilização das populações nesta região. Em 2005, o número de animais a viver em liberdade rondava os 150, sendo que se estima já ter havido na Península Ibérica cerca de 3000 animais desta espécie a viver em simultâneo, por volta dos anos sessenta do século XX.

Já na região de Doñana, não sendo os números tão altos, e apesar de as populações de linces estarem mais fragmentadas em virtude de ser também uma zona rural com muita agricultura, durante o ano de 2009 foram contabilizados 66 animais, entre os quais foram contadas 18 fêmeas e um grupo de 21 jovens felinos, e que dá agora sinais de começar a recuperar. Nesta região têm sido libertados alguns animais provenientes da Sierra Morena, numa tentativa de aumentar a oferta genética, depois de muitos anos em que a variedade genética foi prejudicada por um baixo número de indivíduos a viver na região.

No novo programa de protecção, que abrangerá os anos de 2011 a 2016, está prevista a criação de mais alguns locais onde seja viável restabelecer populações de lince-ibérico. Os locais apontados em Espanha localizam-se em Castela-La Mancha, na Extremadura e ainda noutros locais da Andaluzia. Já para Portugal, está previsto escolher para já apenas um local, ainda por definir, sabendo-se que o ideal seria conseguir áreas na ordem dos 500 hectares para que os animais possam movimentar-se em busca de alimento e parceiros.

Nestes novos locais, o objectivo é criar grupos com, pelo menos, cinco fêmeas e mais alguns machos, para que possam de forma acompanhada iniciar o natural processo de reprodução. Este não é fácil, já que as crias acabam por ter uma alta taxa de mortalidade, o que obriga a monitorizações permanentes, envolvendo a presença contínua de meios técnicos e humanos no terreno.

O lince-ibérico continua a estar nas mãos daqueles que fazem da sua vida a protecção da espécie, e até agora essas mãos parecem ser as certas, tal têm sido os bons resultados alcançados. O trabalho está a ser feito, em Espanha mais avançado e com resultados mais concretos e em Portugal com muito empenho e ainda numa fase de aprendizagem, mas o futuro parece ser risonho em ambos os lados da fronteira.

As causas apontadas para o quase desaparecimento desta espécie têm sido muitas. As principais são a caça, os atropelamentos, a dispersão dos animais e a falta de alimento em quantidade e qualidade, principalmente de coelhos, que morreram em grande número por via de uma doença hemorrágica que afectou a espécie ao longo de muitos anos, privando o lince da sua principal presa.
Notícias
Portugal
Foram muitos anos e muitas pessoas envolvidas dos dois lados da fronteira para que o lince-ibérico pudesse ter futuro. No período de duas semanas, as notícias que todos esperavam há anos surgiram, primeiro Jacarandá depois Lagunilla, duas das fêmeas libertadas em Portugal, tinham tido as suas primeiras crias, e havia pequenos linces para demonstrar que todo o investimento pessoal dos muitos envolvidos neste processo tinha valido a pena.
Um ano de linces-ibericos de volta à liberdade
Portugal
O programa de reintrodução do Lince-Ibérico em território nacional fez um ano. Entre a incerteza e o sucesso, muito tem sido feito para que este pequeno felino volte a prosperar no seu habitat natural.
Lince-Ibérico deixa de estar «criticamente ameaçado» e passa a «ameaçado» segundo a I.U.C.N.
Portugal e Espanha
Foram muitos anos de trabalho dos dois lados da fronteira, muita troca de informação, muitas horas de trabalho de todos os envolvidos, muitas expectativas, muito suor aqui e ali salpicado de lágrimas mas, com todos estes muitos, foi possível salvar o felino mais ameaçado do planeta.
Jardim Zoológico recebe dois exemplares de Lince-ibérico, o felino mais ameaçado do mundo
Portugal
O Jardim Zoológico acaba de receber dois exemplares de Lince-ibérico, no âmbito do projecto de conservação desta espécie, em parceria com Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
Libertados os primeiros linces-ibéricos criados em cativeiro
Portugal
Depois de muitos anos em que o felino mais ameaçado do mundo não foi visto em liberdade em Portugal, o primeiro casal criado em cativeiro foi hoje libertado, ainda que de forma controlada, para que brevemente possa percorrer montes e vales e criar descendência, garantindo a esta espécie ameaçada um futuro em liberdade total.
Parques

Reserva Nacional do Niassa

Niassa, Moçambique

Zoos

Aquário Vasco da Gama

Lisboa, Portugal

Zoológico Municipal de Garça

São Paulo, Brasil

Lojas

Gato & Caopania

São Paulo, Brasil

Pets & Company - Expo

Lisboa, Portugal

Hotéis

Cães e Gatos Hotel

Rio de Janeiro, Brasil