Répteis e anfíbios Cobra-rateira (Malpolon monspessulanus)

Cobra-rateira (Malpolon monspessulanus)


Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Colubridae
Subfamília: Psammophiinae
Género: Malpolon
Espécie: M. monspessulanus

Outros nomes:
Montpellier snake (Inglês)
Couleuvre de Montpellier (Francês)
Culebra bastarda (Castelhano)

Distribuição geográfica:
A cobra rateira pode ser encontrada na Península Ibérica, por todo o Sul da Europa, exceptuando Itália, na Ásia Ocidental e ainda no Norte de África. Habita todo o tipo de terreno onde haja roedores e aparece também dentro de habitações, ou do que delas resta, onde se introduz em busca de alimento. Frequentemente, esconde-se debaixo de pedras.

Alimentação:
A base da alimentação destes animais são os roedores, principalmente ratos, mas também coelhos pequenos. Contudo, come também outras cobras e ocasionalmente aves ou lagartos de grandes dimensões.

Estado de conservação:
Pouco Preocupante (IUCN 2009)

Reprodução:
Põe até 20 ovos, que eclodem geralmente passados cerca de 60 dias.

Tamanho:
As cobras desta espécie podem ultrapassar os 2,0 metros de comprimento, sendo a maior das cobras encontradas em Portugal. O seu veneno não representa um perigo verdadeiro para o Homem, sobretudo tratando-se de um adulto saudável, já que é para matar pequenos animais. No entanto, depois de ser mordido deve dirigir-se por segurança a um hospital e contar o sucedido, por forma a ser acompanhado durante algum tempo e ter a garantia que nada de anormal se está a passar.

Longevidade:
Esta cobra tem uma esperança de vida a rondar os 20 anos.


Publicidade


Galeria fotográfica

Classificados
São Paulo, Brasil
Venda de Filhotes
Porto, Portugal
Procuro Cavalo Lusitano
Carnaxide, Portugal
Cão encotrado em Carnaxide


Bicharada.net
Contacto
Login
Privacy policy